Policiais e Thrillers? Onde? Aqui e são os meus favoritos de sempre!

@portasetenta

Quem segue a @portasetenta no Instagram já se deve ter apercebido que dois dos meus géneros literários favoritos são o romance policial e o thriller. Adoro crimes! (Este entusiasmo certamente que vos assustou, mas juro que é só no papel… pelo menos até ver). Já li livros absolutamente extraordinários dentro dos géneros sendo que aquele que eu identifico como sendo o grande responsável pelo meu fascínio foi, sem dúvida, o genial Homens que Odeiam Mulheres do Stieg Larsson. Este grande sucesso crítico e literário introduziu-me no “nordic noir”, subgénero do romance policial oriundo dos países nórdicos, que se caracteriza por crimes especialmente pérfidos e protagonistas complexos e autodestrutivos.

Hoje, a minha listo de livros favoritos, dentro do género, já se expandiu além das fronteiras dos países nórdicos incluindo clássicos e contemporâneos de outros países e até nacionais. De facto, os géneros policial e thriller não são muito explorados no nosso país, fruto, acredito, do preconceito com que muitos olham para este tipo de narrativas, muitas vezes, vistas como menores. Pobre do ignorante que deixa que os seus preconceitos o impeçam de descobrir maravilhas do mundo, no caso, literário.

Mas chega de conversa! Seguem os meus policiais e thrillers favoritos:

1. Os Homens Que Odeiam as Mulheres de Stieg Larsson (2005)

O livro que mudou tudo para mim! Introduziu-me no género e deixou-me completamente obcecada, por alturas da sua leitura.

“O jornalista de economia Mikael Blomkvist precisa de uma pausa. Acabou de ser julgado por difamação ao financeiro Hans-Erik Wennerstrom e condenado a três meses de prisão. Decide afastar-se temporariamente das suas funções na revista Millennium. Na mesma altura, é encarregado de uma missão invulgar. Henrik Vanger, em tempos um dos mais importantes industriais da Suécia, quer que Mikael Blomkvist escreva a história da família Vanger. Mas é óbvio que a história da família é apenas uma capa para a verdadeira missão de Blomkvist: descobrir o que aconteceu à sobrinha-neta de Vanger, que desapareceu sem deixar rasto há quase quarenta anos. Algo que Henrik Vanger nunca pôde esquecer. Blomkvist aceita a missão com relutância e recorre à ajuda da jovem Lisbeth Salander. Uma rapariga complicada, com tatuagens e piercings, mas também uma hacker de excepção. Juntos, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander mergulham no passado profundo da família Vanger e encontram uma história mais sombria e sangrenta do que jamais poderiam imaginar.”

2. As Dez Figuras Negras de Agatha Christie (1939)

Para mim, a grande obra de Agatha Christie. Um policial absolutamente brilhante.

“Em Fevereiro de 1972, Agatha Christie escreveu uma carta ao seu editor. Nessa missiva, incluída nesta edição especial, a Rainha do Crime elegeu os dez livros de sua autoria de que mais gostava. As Dez Figuras Negras foi considerado pela autora como um “desafio que lhe trouxe muita satisfação”. Publicado na Grã-Bretanha, em 1939, e nos Estados Unidos, em 1940, seria também adaptado para teatro e cinema.

Dez desconhecidos que aparentemente nada têm em comum são atraídos pelo enigmático U. N. Owen a uma mansão situada numa ilha da costa de Devon. Durante o jantar, a voz do anfitrião invisível acusa cada um dos convidados de esconder um segredo. Nessa mesma noite um deles é assassinado. A tensão aumenta à medida que os sobreviventes se apercebem de que não só o assassino se encontra entre eles como se prepara para atacar uma e outra vez…”

Podes ler a minha opinião aqui!

3. O Boneco de Neve de Jo Nesbø (2007)

Um dos livros mais arrepiantes desta lista. Integra a coleção do Autor protagonizada por Harry Hole, mas pode ser lido individualmente.

“Noite escura. Lá fora começa a nevar.
A primeira neve do ano.
No conforto da sua casa, Jonas acorda a meio da noite, chama pela mãe, mas o único rasto que encontra são as pegadas húmidas no chão das escadas. No jardim, a mesma figura solitária que vira durante o dia: o boneco de neve, agora banhado pelo luar, com os olhos negros fixos na janela do quarto. E no pescoço um agasalho: o cachecol cor de rosa que oferecera à mãe.
Encarregado da investigação, o Inspetor Harry Hole está convencido de que existe uma ligação entre o estranho desaparecimento da mãe de Jonas e uma carta ameaçadora que recebeu alguns meses antes. Quando Harry e a sua equipa começam a analisar antigos casos por resolver, descobrem que, ao longo dos anos, no primeiro dia em que nevou, desapareceu um número alarmante de mulheres, com uma característica comum: eram todas casadas com filhos. E quando se vê confrontado com outro caso com as mesmas características, as suspeitas de Harry confirmam-se: não passa de um mero peão num jogo mortífero. Pela frente tem o primeiro assassino em série da Noruega, um assassino tão inteligente, que quase o leva à loucura.”

Podes ler a minha opinião aqui!

4. O Mistério da Estrada de Sintra de Eça de Queirós e Ramalho Ortigão (1870)

Considerado o primeiro romance policial português, O Mistério da Estrada de Sintra é o delicioso resultado de uma partida dos seus autores. Um daquele livros imperdíveis com lugar cativo na minha lista de favoritos de sempre!

“Em viagem de Sintra para Lisboa, o médico Dr.*** e o escritor F… são interceptados por um grupo de quatro mascarados, que os sequestram. Encaminhados, de olhos cobertos, para um prédio misterioso, é apenas quando as suas vendas são retiradas que os dois amigos descobrem os contornos macabros do rapto de que foram alvo – aos seus pés encontra-se o cadáver de um estrangeiro. Quem será este homem e qual a sua história? Publicado inicialmente nas páginas do Diário de Notícias , entre julho e setembro de 1870, sob forma de cartas anónimas, e nesse mesmo ano com edição em livro, O Mistério da Estrada de Sintra foi resultado da colaboração de dois grandes mestres: Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão. É considerada a primeira narrativa policial da literatura portuguesa.”

5. Night Film de Marisha Pessl (2013)

Infelizmente, ainda não mereceu publicação em Portugal. É um policial fascinante com uma atmosfera muito noir, várias referências pop e atmosfera cinematográfica que fascinará cinéfilos.

“On a damp October night, beautiful young Ashley Cordova is found dead in an abandoned warehouse in lower Manhattan. Though her death is ruled a suicide, veteran investigative journalist Scott McGrath suspects otherwise. As he probes the strange circumstances surrounding Ashley’s life and death, McGrath comes face-to-face with the legacy of her father: the legendary, reclusive cult-horror-film director Stanislas Cordova—a man who hasn’t been seen in public for more than thirty years. For McGrath, another death connected to this seemingly cursed family dynasty seems more than just a coincidence. Though much has been written about Cordova’s dark and unsettling films, very little is known about the man himself.
 
Driven by revenge, curiosity, and a need for the truth, McGrath, with the aid of two strangers, is drawn deeper and deeper into Cordova’s eerie, hypnotic world. The last time he got close to exposing the director, McGrath lost his marriage and his career. This time he might lose even more. Night Film, the gorgeously written, spellbinding new novel by the dazzlingly inventive Marisha Pessl, will hold you in suspense until you turn the final page.”

6. A Floresta dos Espíritos de Jean-Christophe Grangé (2009)

Este é especialmente pérfido e violento. Desmembramentos, canibalismo e uma atmosfera de terror psicológico potentíssima. Hoje, não é muito fácil de encontrar em livrarias, mas têm sempre plataformas de livros usados. Até vos vendia o meu, mas é uma relíquia.

Jeanne Korowa, brilhante juíza com uma vida sentimental desastrosa, envolve-se na investigação de uma série de mortes violentas: desmembramentos e canibalismo em cenários macabros. Por despeito, Jeanne instala um gravador na sala do psicanalista do ex-namorado, e acaba por ouvir uma consulta de outro paciente: um pai que revela os desejos e actos sanguinários do seu filho autista. Esta e outras pistas conduzirão a juíza à Floresta dos Espíritos, onde descobrirá uma verdade que preferiríamos nunca chegar a conhecer.

7. O Cão dos Baskervilles de Arthur Conan Doyle (1902)

Uma lista destas sem Arthur Conan Doyle não estaria completa. Adoro o universo Sherlock Holmes, desde os contos aos filmes, passando pela série incrível protagonizada pelo Benedict Cumberbatch. No meio de várias histórias fantásticas, O Cão dos Baskervilles é absolutamente imperdível.

Como uma maldição, a antiga lenda do cão dos Baskervilles, datada de 1742, persistira na história da família durante gerações. A misteriosa morte de Sir Charles, nas imediações da Mansão Baskerville, leva Sherlock Holmes a iniciar a investigação de um dos seus mais famosos e intrigantes casos, na fantasmagórica e selvagem charneca do Devon. Depois de ter morto Sherlock Holmes, o seu criador, Conan Doyle, é perseguido e apupado durante anos por milhares de leitores das aventuras do imortal detective. E, pressionado pelo seu editor da Strand Magazine, acaba por escrever aquela que viria a ser a mais conhecida aventura de Sherlock Holmes e do Dr. Watson — O Cão dos Baskervilles.

8. Segredos Obscuros de  Hjorth e Rosenfeldt (2010)

Mais um nordic noir para a lista. A dupla Hjorth e Rosenfeldt conquistou-me com o primeiro volume da coleção protagonizada por Sebastian Bergman. Um crime macabro, um protagonista carismático e uma equipa cheia de personagens fortes foram os ingredientes que me levaram a devorar este livro.

“Sebastian Bergman é um homem à deriva.
Psicólogo de formação, trabalhava como profiler para a polícia e era um dos grandes especialistas do país em serial killers. Perdeu tudo quando o tsunami no continente indiano lhe levou a mulher e a filha.
Tudo muda com uma chamada para a polícia.
Um rapaz de dezasseis anos, Roger Eriksson, desapareceu na cidade de Västerås. Organiza-se uma busca e um grupo de jovens escuteiros faz uma descoberta macabra no meio de um pântano: Roger está morto e falta-lhe o coração.
É o momento de Sebastian se confrontar com um mundo que conhece demasiado bem.
O Departamento de Investigação Criminal pede ajuda a Sebastian. Os modos bruscos e revoltados de Sebastian não impedem a investigação de avançar. E as descobertas sobre a escola que Roger frequentava são aterradoras.”

 9. A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert de Joël Dicker (2014)

Este é um thriller deveras estimulante. A narrativa é sombria e repleta de reviravoltas sendo que todas as personagens, incrivelmente carismáticas, escondem segredos escabrosos. Sei que não é um livro adorado por muitos, mas é um dos meus favoritos.

Verão de 1975. Nola Kellergan, uma jovem de quinze anos, desaparece misteriosamente da pequena vila costeira de Nova Inglaterra. As investigações da polícia são inconclusivas. Primavera de 2008, Nova Iorque. Marcus Goldman, escritor, vive atormentado por uma crise da página em branco, depois de o seu primeiro romance ter tido um sucesso. Junho de 2008, Aurora. Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados do país, é preso e acusado de assassinar Nola, depois de o cadáver da rapariga ser descoberto no seu jardim. Meses antes, Marcus, discípulo de Harry, descobrira que o professor vivera um romance com Nola, pouco tempo antes do seu desaparecimento. Convencido da inocência de Harry, Marcus abandona tudo e parte para Aurora para conduzir a sua própria investigação.

Podes ler a minha opinião aqui!

10. A Seca de Jane Harper (2017)

Uma história muitíssimo bem escrita em que as personagens são tratadas com enorme profundidade. Tem densidade emocional e uma atmosfera claustrofóbica.

No calor sufocante do deserto, uma pequena vila é abalada por um crime inexplicável. Luke Hadler, filho da terra e amado por todos, matou brutalmente a mulher e o filho, tendo-se suicidado em seguida. Dos alegres retratos de família apenas sobreviveu a pequena Charlotte, de 13 meses.
Ninguém parece duvidar da explicação oficial para o crime exceto os pais de Luke, que tentam convencer o amigo de infância do filho, Aaron Falk, a manter a mente aberta a outras possibilidades.

Aaron está relutante. Após anos de ausência, o regresso à terra natal está a revelar-se duro mas as memórias da infância partilhada com Luke falam mais alto. Embora dividido, ele aprofunda a investigação e, pouco a pouco, começa também a duvidar da acusação que paira sobre a honra do amigo. Mas há algo ainda mais assustador: estas mortes ameaçam desenterrar o velho segredo que ditou o fim da inocência de Aaron e Luke tantos anos antes. Sob um sol escaldante, a claustrofóbica vila assolada pela seca pulsa de tensão. Se Luke é inocente, estará o culpado pela morte da sua família a viver entre eles? Todos se conhecem e ninguém seria capaz de semelhante atrocidade. Certo?

E vocês? Gostam de policiais? Contem-me tudo!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s