Porque Agatha Christie nunca falha: Anúncio de um Crime

Certa manhã, os pacatos habitantes de Chipping Cleghorn são confrontados com um inusitado anúncio anónimo que dá conta de um homicídio a ter lugar em local e data definidos. Todos são convidados a assistir num evento que se revela imperdível. Ninguém sabe quem será a vítima ou o motivo para tão drástico ato. Alguns acreditam que é uma partida, outros temem que esta seja a resposta a segredos há muito guardados. Chega o momento do crime e todas as luzes se apagam.

Levaram Annie Thorne de C. J. Tudor

Surpreendente. É o que me apraz dizer sobre Levaram Annie Thorne de C. J. Tudor. Trata-se de um thriller muito ao estilo de Stephen King com uma atmosfera que junta elementos típicos dos policiais, elementos sobrenaturais e uma pitada de drama potenciado provincianismo típico das cidades pequenas. A narrativa é intrigante, desde a primeira página.

Porque é que eu adoro Jo Nesbø? The Snowman!

5/5 Muito antes de eu sequer imaginar vir a ter este cantinho chamado Porta Setenta, fui à biblioteca da minha cidade procurar um thriller interessante para as férias. Porque, algum tempo antes, eu havia sido conquistada por Stieg Larsson, acabei na secção dos nórdicos onde me deparei com o fantástico The Snowman (em português: O…

Terra Alta, Os Miseráveis e Javier Cercas: Uma Opinião

4/5 Disclaimer: Este livro foi uma oferta da Editora Porto Editora. Tal em nada afecta a opinião que, de seguida, se partilha. O meu primeiro encontro com Javier Cercas deu-se em dezembro de 2019. O livro foi Soldados de Salamina e o fascínio, imediato. (Não tenho review publicada no blog, mas já a estou a…

Trilho da Morte (ou Trilho do Tédio?) de Sara Blaedel

1/5 Estamos no meio de uma floresta dinamarquesa, um grupo de homens reúne-se numa clareira por forma a executar um ritual que, espante-se, envolve relações sexuais com uma mulher que, começando por ser consentidas, depressa se transformam numa agressão sexual. Toda a gente usa vestes e máscara – inspiração manhosa do Eyes Wide Shut de…

O Imenso Adeus de Raymond Chandler

Filmes como L.A. Confidential, Chinatown ou Os Suspeitos do Costume preencheram o meu imaginário durante anos. O género policial noir popularizou-se na segunda metade do século XX, precisamente, com Raymond Chandler, um dos seus maiores percursores. Por essa razão, e sendo eu fã, a leitura d’O Imenso Adeus pecou por tardia.

The Casebook of Sherlock Holmes & His Last Bow de Arthur Conan Doyle

Desde a primeira vez que o vi na televisão, sou fã de Sherlock Holmes. Sendo eu fã de cérebros brilhantes, esta personagem sempre me encheu as medidas. Vergonhosamente, porém, nunca tinha conhecido Sherlock pelos olhos do seu criador, Arthur Conan Doyle. Este foi o ano e a escolha foi acertada: os contos desta coletânea são cativantes, divertidos e, claro, muito inteligentes.

A Rapariga do Tambor de John le Carré

John le Carré é considerado um dos mestres contemporâneos do género romance de espionagem. O Autor britânico conta já com uma extensa lista de obras publicadas tendo um grande número das mesmas merecido adaptação cinematográfica e televisiva como foi o caso d’O Fiel Jardineiro (2001), O Espião que Veio do Frio (1963), A Toupeira (1974), O Gerente da Noite (1993) e A Rapariga do Tambor que é o livro que me traz cá, hoje.

Baratas de Jo Nesbø

Se Stieg Larssen foi responsável por dar a conhecer ao mundo o chamado nordic noir, Jo Nesbø pode ser apontado como o Autor que garantiu que o género não se evaporava das listas de best-sellers mundiais. Através da coleção – que já conta com 12 volumes! – protagonizada pelo detetive Harry Hole, o Autor é um dos mais bem-sucedidos da atualidade.