Foi Assim a Guerra das Trincheiras de Tardi

Visceral, cruel e necessário. Foi Assim a Guerra das Trincheiras confronta o leitor com um conjunto desconexo de histórias vividas nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Jacques Tardi, o artista por trás da obra, alerta-nos que esta não é a obra de um historiador É, sim, o relato de um conjunto de eventos não-cronológicos que refletem a sua própria indignação com o homem e o seu sofrimento.

Os Vampiros de Filipe Melo e Juan Cavia

A leitura desta novela gráfica foi tão impactante que me debato com as palavras para a sua caracterização. Esta história é nacional e não apenas porque o seu argumentista é português. É nacional porque toca na dor do nosso país que, no silêncio, sofre os efeitos de uma guerra demasiado longa.

Sabrina de Nick Drnaso

Já vos aconteceu ler um livro absolutamente aclamado pela crítica para descobrir, no final, que o livro não vos disse tanto como esperavam? A mim já e foi, precisamente, com Sabrina de Nick Drnaso. Eu acho que tem tudo que ver com expectativas vs. género vs. oportunidade.

Pyongyang – A Journey in North Korea por Guy Delisle

Antes de escrever sobre Pyongyang, sinto-me na obrigação de confessar que eu era muito avessa a novelas gráficas. Sim, fazia parte daquele grupo de incultos que via a banda desenhada e as novelas gráficas como produtos infantis. A minha opinião foi mudando à medida que fui contactando, de forma mais próxima, com leitores do género que me iam dando nota de bons títulos cuja temática era tudo, menos infantil.