House of Leaves de Mark Z. Danielewski

Publicado em 2000, o romance de estreia do Autor norte-americano Mark Z. Danielewski é um daqueles que se pode definir como sendo verdadeiramente de culto. Os seus leitores depressa ficam hipnotizados com a narrativa gótica e complexa criada à volta de um documentário inexistente. À semelhança das personagens de House of Leaves, também não conseguem…

O País dos Outros de Leïla Slimani

Conheci a Leïla há uns anos quando me cruzei com Adele, em português No Jardim do Ogre. Foi, salvo o erro, o seu primeiro grande romance cuja leitura me levou 2 dias a concluir. Pela primeira vez, eu via alguém escrever sobre ser uma mulher deprimida, imperfeita e cheia de complexidades no século XXI. Era…

Ensaio sobre o Dever (ou a Manifestação da Vontade) de Rute Simões Ribeiro

Numa sociedade distópica, os cidadãos são chamados, por uma qualquer entidade de natureza desconhecida, a escolher um único sentido com o qual viverão, aparentemente, resto das suas vidas. Olfato, paladar, audição, tacto ou visão, a escolha não é fácil, mas mandatória. No dia seguinte, ao meio-dia, todos ver-se-ão a braços com a ausência dos quatro…

O Casamento de Nelson Rodrigues

Nelson Rodrigues é daqueles Autores que, quando conhecemos, amamos ou odiamos. Figura polémica da cena literária e jornalística brasileira do século XX, foi apelidado de “tarado nacional” e “deflagrador da estética de mau gosto” em razão do carácter, tido como “obsceno”, da sua obra. O próprio Nelson Rodrigues, conhecendo a sua infâmia, intitulou-se “anjo pornográfico”….

Um semestre, 10 grandes livros

Parece inacreditável, mas o ano já vai a meio. Não sei se é do Covid, mas tenho a sensação de que ainda ontem estávamos em fevereiro de 2020. A verdade é que já não estamos e 2021 não tem sido o ano incrível que todas as publicações de ano novo faziam crer que seria. Tenho…

Baba e ranho: Uma Vida à Sua Frente de Romain Gary

Hoje venho falar-vos de La Vie Devant Soi de Emile Ajar que é como quem diz Uma Vida à Sua Frente do escritor francês Romain Gary. Emile Ajar era, na verdade, um pseudónimo do Autor Romain Gary que, dessa forma, conseguiu vencer o seu Segundo Prémio Goncourt, em 1975.  Foi o único Autor, até hoje, que…

Finalmente li A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera…

Sim, depois das 3000 recomendações para o fazer, finalmente li o grande clássico moderno que é A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera. Publicado em 1984, o livro foi um sucesso instantâneo junto não só dos críticos como igualmente do grande público. Uma das razões para esse sucesso teve que ver com a proximidade…

Sobre a trilogia As Areias do Imperador de Mia Couto

5/5 Em 2020, terminei a leitura de uma das mais belas histórias que tive o prazer de ler. O seu autor é o moçambicano Mia Couto, com quem travei caminho, há vários anos, com a leitura d’O Último Voo do Flamingo. Na altura, a minha imaturidade literária levou-me a estranhar o estilo lírico que Mia…

A beleza que podemos encontrar n’A Devastação do Silêncio de João Reis

5/5 A Devastação do Silêncio marca a minha segunda incursão pela obra de João Reis, sucedendo a uma leitura extraordinária, o magnífico Avó e a Neve Russa. Com um domínio excecional sobre a língua portuguesa, Reis conquista pelas palavras sempre certeiras e insuspeitas e a narrativa que, destafeita, decorre num campo de prisioneiros alemão, durante…

Minha querida Jane Eyre…

5/5 Um dos livros da minha vida é O Monte dos Vendavais de Emily Brontë. Li-o há uns anos e fui completamete arrebatada pela estória trágica de Catherine e Heathcliff, personagens que ocupam, até hije, um lugar muito especial no meu coração. A curiosidade para ler a obra das irmãs Charlotte ou Anne era, por…